Abrindo Espaço

Hello, hello baby! Hoje é sexta-feira, a diva da semana! Uhu! Estou empolgadíssimo com o tributo a finada Emy Wine House, que acontecerá num pub novo da cidade. Fiz meia dúzia de ligações e já mobilizei as ‘bi’ para a festinha.

Ai gente, tomara que não aconteça hoje o que aconteceu na semana passada na festa. Socorro! Só de lembrar fico raivoso. Vocês não vão acreditar.

Sábado passado fui para a boate com a turminha! Festinha babadeira, com DJ internacional, muito bate cabelo, poledance e o melhor de tudo OPEN BAR. Existem duas frases que mexem demais comigo, uma delas é EU TE AMO e a outra é OPEN BAR! Já fico todo arrepiado só de ouvir isso! Adoro!!!

A festa estava muito lotada, milhares de ‘cafuçô’ por metro quadrado, muita luz piscando e a música a todo pau fazia todos dançarem freneticamente. Uma delícia! A única coisa ruim mesmo era a disputa por um lugar onde fosse possivel requebrar até o chão. Nem tudo que é apertado é ruim né, mas uma festa, ninguém merece.

Éramos seis, por isso ficava dificil formar uma rodinha de dança, mesmo assim a gente ia empurrando um e outro, as vezes disfarçava que estava abrindo espaço e se esfregava bem no boy magia que passava. Porque tirar uma ‘casquinha’ é bom, né?! Quem nunca?

Teve momentos que eu fiquei pensando, não cabe mais ninguém dentro dessa boate, não tem nem para onde correr se pegar fogo nesse lugar, que medo!

Enquanto dançávamos feito loucas, curtindo demais a noite com os amigos, eu senti um cheiro horrível, ou melhor TERRÍVEL! Um cheiro a podre tomou conta da festa, gente, era desesperador, meu nariz ardeu com o fedor a esgoto! Nem perto de  fedor de banheiro químico ou de rodoviária, era mil vezes pior.

Eu me assustei com tamanho fedor que dei um grito no meio da nossa rodinha de dança:

– Amichas, estouraram a peida!!

Não sei quem foi a bicha porca que arrebentou a bunda com um peidão fedorento, capaz de matar uns quantos. Pelo amor da vaca gersei. As ‘bi’ se dissiparam de uma maneira que em segundos sobrava espaço na pista que estava lotada. Que nojo!

Tem gente sem noção mesmo. Eu torço que a próxima vez que uma ‘marica’ relaxada fizer isso, ela se cague toda na festa, ou melhor, que a música pare bem na hora que ela estiver peidando e que todas as ‘bi’ da volta ouçam de qual edí veio o furacão fedendo a fossa.  Ora! Francamente! Até a roupa da gente poderia ficar impregnada.

Depois de muitos minutos conseguimos retornar a pista, porque aquele cheiro pairava no ar. Nem gelo seco disfarçava o fedor deixado pela bicha peidorreira. Que maneira mais deselegante de abrir espaço para dançar.

Smack!

Anúncios

Amigo’s Day

‘Gentem’, o título desse texto até se confunde com uma ótima notícia (amigos dei), mas não é nada disso. Hoje é dia do amigo, ou seja, um dia para celebrar, afinal, são tão poucos. Né?!

 

Estou muito feliz. Acabei viajando para encontrar meus, preciosos, amigos que moram longe. O Amargo chegará da capital catarinense, o Marujo virá da capital fluminense, os demais já estão na capital gaúcha e eu, interiorano, tive que percorrer mais de 300 Km para me juntar ao clã.

 

Quem me hospedou foi o Mergulhão, ele é uma ‘figura’, uma criatura admirável, engraçada e incoparável, ou seja, um amigão!

Se você tem amigos, sabe que inúmeras vezes eles nos colocam em situações embaraçosas. Foi o que aconteceu comigo. Vou contar para vocês, queridos amigos.

 

Ao chegar de viagem, fui direto deixar minha mala no quarto de hóspedes que estava prontinho para mim. Tive uma surpresa  já ‘de cara’, o Kaligula, também estava na cidade, veio da capital paulista. Até aí tudo bem, ele é ótimo, fazia um tempão que não nos encontrávamos. Quando me acostumei com esta idéia de dividir a atenção do anfitrião com ele, outra surpresa. Sim, foi a noite das surpresinhas! Fiquei sabendo que o Intruso, não que ele seja, mas eu vou tratá-lo assim, chegaria do litoral sul.

 

Colocamos um DVD da diva loura, velha, magra, Madonna! Aproveitamos para ensaiar umas coreografias para arrasarmos no show dela aqui no Brasil. Tomamos vinho e comemos ums aperitivos, entre assuntos variados. Estava ótimo.

Blim blom! O intruso adentrou a sala de estar, enquanto estávamos em clima de festa.  Gentil, ele cumprimentou a todos,sorridente, enquanto acomodava-se.

 

Tic tac, tic tac, tic tac… A hora foi passando e nos organizamos para dormir. O meu quarto de hóspedes estava prontinho era só eu deitar,, enquanto, o Kaligula e o Intruso foram acomodados na sala, um no sofá e o outro em um colchão inflável. Depois de tudo organizado, desejei boa noite e fui para meus aposentos.

Tenho sono leve, mas devido ao cansaço, logo dormi.

 

Hummm, hummmm, hããã, aff aff! Barulhos estranho e suspeitos interromperam meu sono, cheguei a pensar que era sonho. Vocês conseguem imaginar?

Sons de sexo vinham da sala. Gemigos contigos, aliás, nem tão contidos assim, murmuros e sussurros.  Não resisti, levantei, fui até a porta que estava entre aberta e espiei. Confirmado! Era sexo, explícito e selvagem. Kaligula e Intruso se revesavam em ‘chupetas’ e carícias. Ui! Muito excítante, confesso, mas demorei a pegar no sono novamente.

 

No dia seguinte, café da manhã como se nada tivesse acontecido, e eu com olheiras profundas e ainda cansado por causa da ininterrupta noite de sacanagem.

 

Para ficar com os amigos a gente passa por poucas e boas. As vezes não tão boas, afinal, seria bem melhor se tivessem me convidado. Né?! Hehehehe!

 

Smack

Tarado da Manta

“Eu não nasci gay, a culpa é do meu pai, que contratou um tal de Wilson pra ser capataz. Lálálá lálálá… a mala dele era demais, ai Wilson vai…” Quem não conhece essa paródia da música I Will Survive? Joga no You Tube: “Wilson Vai”.
É um vídeo velho, mas engraçado, estava assistindo agora pouco. Sabe aquele momento que o computador está na sua frente, você tem um monte de tarefas para realizar, mas não consegue? Pois bem, eu estou assim hoje, fazem duas horas que tento produzir, e nada.

Esta semana foi bem cansativa, e hoje, sexta-feira, já começa com SEX, tô louco para dar uma ‘deSEXestressada’. Tem show da Aghrado hoje, mas estou na dúvida se vou. Não contem para ela hein! Aliás, o que acharam? Ela é uma comédia, ou melhor, um drama. Ih, nem sei ao certo, é melhor dizer que ela é louca. Ah, vou deixar que vocês tirem as próprias impressões.

Acabei de lembrar de uma situação que aconteceu no mês passado, só tinha contado isso para a Aghrado, mas vou compartilhar com vocês também.

Eu precisei viajar a trabalho, tinha que apresentar uma proposta de negócio para um investidor da empresa onde trabalho. Resolvi sair a meia noite daqui, porque prefiro viajar de madrugada, assim eu posso dormir, descansar e não fico tenso. Até eu chegar na cidadezinha destino, levaria entre 5h e 6h. A única coisa que eu desejava era que o passageiro que ficaria domeu lado não roncasse e nem fosse muito espaçoso. Porque não tem coisa pior que alguém do lado se mexendo o tempo todo, comendo, bebendo ou então com criança. Daí sim, seria pra morrer.

Despaxei a bagagem e fui direto para minha poltrona, numero 45, ou seja, próximo do banheiro, definitivamente não é um bom lugar, mas de madrugada, talvez não tivesse tanto movimento.

Fiquei na janela, coloquei meus fones enquanto aguardava a partida do ‘busão’. Logo chegou um cara lindo, caminhando em direção a poltrona vazia do meu lado. Gente ele estava de jaqueta jeans, camiseta amarelo ovo, tinha cabelo escuro e usava óculos. Adoro homem 4 olhos. Eu cheguei até a me arrumar no banco para ele sentar do meu lado, mas o lindão sentou um pouco mais a frente. Que merda!

Enquanto ouvia uns ‘bate cabelo’, arrumei minha pasta no guarda volumes superior. Mal terminei de sentar e uma voz linda pediu licença para acomodar-se ao meu lado. Gente, eu levantei os olhos para conhecer o dono daquela voz que interrompeu o meu set list, adivinhem? Um cara horroroso! Nem fazia frio e ele trazia no braço uma manta para se cobrir, acho que nunca ouviu falar em calefação.  Pensei na hora, ainda bem que já vou dormir.

ZZZZzzzzZZZZzzzZZZZZzzZZ… Acordei meio sonolento, sem saber onde estava, se já tinha passado muito o tempo, estava tudo escuro e o ‘busão’ em silêncio. Minha poltrona estava reclinada ao máximo. Abri os olhos lentamente e senti  uma sensação gostosa mas causava estranhesa. Em poucos segundos, percebi que estava coberto pela manta do ‘carinha’ do lado, e a mão dele estava dentro da minha calça.

Levei um susto! Quando olhei para ele e levantei um pouco meu corpo, ele fez sinal com o dedo indicador na frente da boca, pedindo que eu ficasse em silencio.  Então deitei novamente na poltrona e curti a brincadeira de mão daquele sacana.

A manta revelava  discretamente o que ele estava fazendo, meu cinto estava aberto, meu zíper tambem, e a sorte desse tarado é que eu estava sem cueca. Contive minha respiração ofegante e deixei ele ir até o fim.

Quando senti a ‘caNéca’ derramar, segurei forte da coxa dele e me sequei com a manta. Em seguida dormi, sem dizer uma só palavra.

Acordei novamente com o dia amanhecendo e o ônibus encostando no box da rodoviária. O tarado da manta não estava mais a bordo, mas deixou a coberta dobrado do meu lado, toda melecada.

Smack!

Te encorporei!

Estava eu, caminhando para academia, vestindo camiseta cinza claro, bermuda preta com detalhes em cinza grafite, tênis para corrida e uma mochila com minha roupa para trabalhar. Enquanto eu caminhava ligeiramente, para não precisar fazer aquecimento, ouvia no Ipod Britney, Katy, Gaga e algumas da diva empalhada Cher. São 45 minutos  de chão até eu chegar.

Quando eu estava na medate do caminho passei por um carinha muito parecido com um ‘rolinho’ do passado, o nome dele é Edward, morava no interior de São Paulo e eu no interior de Minas. Era muito parecido, fiquei até desconfiado se não era mesmo ele. O jeito de se vestir, a maneira como caminhava eaté como arrumou o óculos no rosto. Ui!! Eu curtia tanto ele, mas foi um canalha comigo uma vez. Isso mesmo, uma vez, porque eu não dei chance para a segunda.

A gente tinha se conhecido pela internet, ficamos de conversinha por algum tempo, até que combinamos de nos conhecer pessoalmente. Ele parecia um cara muito legal, aliás, na internet todo mundo é muito legal né. Até que implore para você mostrar a ‘néca’ na web cam e poste nas redes você exibindo o ‘peru’ ou o ‘bôco’, e tudo mais que resolveu apresentar. Imaginem!

Mas não foi isso que aconteceu comigo.

Certa vez eu tinha combinado de ir visita-lo em Campinas, não lembro ao certo quantos dias fiquei  lá, mas foi um final de semana esticado. Acho que fui na quinta-feira e voltaria para Minas na segunda, não tenho certeza. Enfim, não importa.

Os primeiros dias foram ótimos, ele me recebeu super bem, me apresentou para os amigos, fizemos passeios para eu conhecer a cidade. Foi bem bacana.

Sábado a tarde fizemos um passeio com os amigos dele, nesta turminha estava o Phillip. Este amigo foi o mais receptivo, me tratou muito bem desde o inicio, foi atencioso, preocupado com  meu bem estar, para que não me sentisse deslocado. Foi muito gentil. Ele é lindo. Só pra vocês ficarem sabendo.

O Edward resolveu ir para uma festa que ficava em outra cidade.  Eu não estava a fim de viajar 200 km para curtir uma balada, já que na cidade tinha festas que eu não conhecia, mas ele não levou minha opinião em consideração. Quando eu falei que não queria ir, ele me disse: – Ok! Fica aí e amanhã a gente se fala. Vocês acreditam nisso?

Eu fiquei tão raivoso, desiludido e puto, muito mais que já sou. Então respirei fundo e respondi: – Tudo bem, boa festa, até amanhã.

Fui para o apartamento dele e o Phillip foi junto, resolveu que me faria companhia. Achei uma gracinha ele ter tomado esta iniciativa, senão eu ficaria mesmo sozinho. Depois que todos pegaram a estrada, nós jantamos, ouvimos música, tomamos vinho e eu resolvi ir para Minas de manhã bem cedo e nem ver a cara do Edward.

Gente, durante a madrugada fui acordado pelo Phillip me bulinando. Acordei aos poucos, senti a mão dele me acariciando o peito e as pernas. Inicialmente me assustei e disse que não queria por causa do Edward, mas logo despertei e pensei comigo: Quer saber? Vou aproveitar!

Deixei ele a vontade, fazer o que quisesse. As mãos percorriam todo meu corpo, ele parecia um polvo, eu já estava rijo e pulsante. Então mais uma vez eu banquei a Santa do Pau Oco e disse: – É melhor a gente parar. Ele sussurrando falou: – Tá, se você preferir, pode ficar parado  deixa tudo comigo. Foi o que eu fiz.

Gente, eu lembro só de revirar os olhos, ele tinha a boca quente, molhada e muito coordenada. Uau! Ficou só da cintura para baixo, enquanto me ‘garganteava’ entrelaçava os dedos segurando forte minhas mãos, passava as unhas  por dentro das minhas coxas e eu me arrepiava todo. Demais!

Eu pedia para ele parar porque o vulcão ia entrar em erupção, mas ele ignorou o meu aviso e num único gole não deixou nada se perder. Foi uma sensação inexplicável, minha alma saiu do corpo e eu falei para ele: – Seu louco! Ele respondeu com uma cara de tesão: – Te encorporei!

Smack!

Festa na Roça

Pula fogueira Iaiá, pula fogueira ioiô, cuidado para não se queimar, olha que a fogueira já queimou o meu amor… Nossa! Que alegria! Estou tão pirigueti com essa festinha junina que organizei aqui em casa! Convidei vários amigos, todas pintosas, isso mesmo, só gente como a gente. Vai ter casamento caipira homoafetivo, um luxo na roça.

Já coloquei vários remendos no meu vestido de caipira desenhado pelo Alexandre Herchcovitch, comprei um chapéu lindo com duas tranças enormes, tipo de crente, sabe? Ai que maravilha!

Vinho para fazer quentão, aliás, uma receita de família, muito cravo, gengibre, cachaça, para deixar as bibas tudo loucas, e lógico, vinho de garrafa pet, porque nós temos preocupação com o meio ambiente e valorizamos a sustentabilidade. Cachorro quente, com salsicha bem picadinha, para ninguém ser flagrado mamando na Viena. Vamos evitar constrangimentos. Bandeirinhas nas cores do arco íris para ficar tudo bem decorado e acolhedor.

Chamei várias machorras para equilibrar a festa, porque senão teríamos poucos com aquele bigode pintado com lápis de olho, além de dar uma xadrezada nos looks com as camisas né. Porque o meu vestidinho é bem florido com estampa miúda, vai ser um arraso. Na hora da quadrilha, só quero ver, vai ser um fuzuê total, a hora que gritarem “Olha a chuva”, vou substituir por “Olha a chuça”, tenho certeza que  uns e outros vão se entregar e colocarão a mão na tóba. E quando gritar “olha a cobra”, nem é bom imaginar, coloco minha mão na fogueira que uns quantos vão se atirar de bunda no chão. Quer apostar?

Vou chamar uns para a rua e tacar fogo no Bombril, mas não vai ser no cabelo ruim da Titchiolin, é na palha de aço mesmo, giramos bem forte e vai ser aquela chuva de faísca, ui!!! Muita estrelinha purpurinada com a palha de aço em chamas. Que efeito!!!

Vai ter barraca da pescaria, quem souber manejar bem a vara, com certeza leva uma piranha para casa, jogo das argolas, um anel bem adestrado vai garantir um premio bacana e o correio elegante, adoro essa barraca, mandamos recadinhos picantes para quem não tem coragem de dizer tudo o que sente para o bofe. Claro que eu vou trabalhar na banca do beijo, afinal, sou a organizadora da festa! Ops! O organizador!

Já deixei combinado com quem for trabalhar no carrinho de milho verde que os sabugos deverão ser recolhidos assim que os grãos forem devorados, Não quero que nenhum acidente aconteça.

Fico um pouco nervoso com a organização, mas já conferi tudo, não tem como dar errado, a Stê acabou de confirmar por telefone, a Cenoura Escandalosa já garantiu espaço com o Lerdo, a Olhos de Maísa vêm com certeza, as fãs da Sula Miranda responderam o email para garantir o nome na lista. Vai ser bom demais.

Pula fogueira Iaiá, pula fogueira ioiô, cuidado para não se queimar, olha que a fogueira sabe quem se depilou…

 

Smack

Glamour de Inverno

Quem vê as pessoas na rua bem vestidas, arrumadas, exibindo as roupas pesadas, usando e abusando de acessórios como boinas, chapéus, toucas, se encanta com os looks que o inverno proporciona. Uau! Que luxo! Luvas, botas, sapatos pesados, cachecol e muito mais.

Combinei de sair com meu namorado hoje, sim resolvemos dar uma apimentada na relação. Ele me convidou para irmos a um motel novo fora da cidade. Está marcando baixas temperaturas, vamos ter que aquecer muito o clima para não passar frio. Adoro!

Já estou prontinho, fiz uma depilação artística para surpreender, ensaiei umas novas posições, hoje ele vai conhecer o Rabo de Arraia e o Grito da Morsa. Gente não tem bofe que resista, tive que tomar um relaxante muscular para aliviar as dores que fiquei enquanto ensaiava. Vai ser demais! Estou usando um creme clareador anal, ‘tô’ impressionado com o resultado, ficou tão clarinho que parece que tenho vitiligo no bôco. Adorei! Acho que vou até fazer um clima com luz negra para valorizar e dar mais efeito na hora que começar a piscar. Imaginem!!!

Comprei uma cueca bem cavada para mostrar minha depilação, vou colocar uma calça de couro sintético, um blusão com gola role e uma jaqueta. Não gosta de ficar muito agasalhado, fico parecendo um boneco de neve, mal consigo me movimentar. Odeio essa sensação de estar preso com tanta roupa.

Quando chegamos ao motel, vocês não podem imaginar o quanto era lindo o lugar. Altíssimo padrão. Arrasou! É tão bom conhecer uns lugares diferentes. Tô empolgado! Vai ser uma selvageria se depender de mim.

Ai, me caguei toda só de entrar na suíte, era enorme, lugar lindo. Começamos de agarração, muito beijo, carinho, brincadeirinhas de mão vocês já sabem como termina né!

Jogamos dadinhos, jogo da memória de sacanagem, esconde-esconde. Foi demais, tudo isso antes de irmos para os finalmente.

Eu fiz um strip-tease para ele, aproveitei que o ar condicionado marcava 28 graus enquanto na rua estava 3 graus, tirei meu blusão de gola alta, dançava sensualizando enquanto abria minha calça aos poucos, via na cara dele o tesão que sentia, quando fiquei só de cueca ele deu uma gargalhada do modelo asa delta que estava usando. Que nojo! Fiquei furioso! Resolvi continuar, dancei mais um pouco vestindo apenas minha linda cueca e sapato. Daí me atirei na cama e pedi que ele fizesse o mesmo.

Gente, ele começou a dançar, nunca tinha feito um strip para mim, adorei vê-lo rebolando e sensualizando para mim. Ai que excitação! Tirou a camisa que vestia, colocou uma máscara tipo Zorro, que tinha na suíte, tirou primeiro os sapatos, quando foi baixar a calça, ele percebeiu que estava usando ceroulas.  Quando vi aquilo, juro que tive soluços de tanto que ri. Tadinho, parecia um vovô usando ceroula por baixo da calça. Ele ficou odioso comigo, mas não consegui parar de rir.  Quando tirou a calça, foi tirar a ceroula bem rápido para irmos logo aos finalmentes, mas a ceroula trancou nas meias, porque estava dentro da meia, daí sim, quase morri de rir. Que brochante ainda gritei!  Ele ficou mais raivoso ainda, todo atrapalhado pulando num pé só para desembolar aquele ceroulão preso por dentro das meias, e eu dizia pula Saci, pula Pererê!

O que era para ser sexy se tornou cômico. Socorro! Daí ele ficou bravo e eu me diverti mais ainda, porque não tem coisa melhor que provocar o namorado né?! Sentei-me na cama e dizia: – Vem meu velho, vem fazer um papai mamãe!

Aquele glamour todo de estar bem vestido no inverno se foi ralo abaixo feito água de chuca quando vi meu lindo namorado usando aquele ceroulão por baixo da calça. Aff!!! Só para finalizar, nem consegui usar a luz negra só pratiquei as novas posições enquanto ria  ao lembrar do strip desastre do meu namoradinho. O que vale é a intenção né!?

Smack